Carreira e conflitos conjugais


Comportamento & Marketing Pessoal

SAPO Emprego

Como ultrapassar as crises de carreira a dois.

Apesar de tentarmos sempre conseguir uma separação entre a vida profissional e a vida familiar é inevitável que os dois campos se misturem frequentemente e, muitas vezes, o equilíbrio seja difícil de alcançar. A situação agrava-se entre casais, sobretudo no inicio de vida em comum, em que a instabilidade financeira e a inexperiência podem dificultar ainda mais o modo como lidam com os problemas que possam surgir.
Reunimos as situações de carreira que têm um maior impacto na vida familiar e qual a melhor forma de as ultrapassar a dois.

Despedimento
É sem dúvida a situação mais complicada e a mais temida no contexto profissional. Consequentemente, é também a que mais efeitos pode provocar no seio familiar.
A forma como o outro reage à notícia é muito importante. É natural que fique preocupado, mas deverá manter a calma para servir de conforto e ponto de apoio ao seu cônjuge.
É provável que neste momento o seu companheiro se sinta culpado, zangado, ansioso ou fragilizado. É fundamental que tente levantar-lhe a moral e transmita sempre uma atitude positiva. Essencialmente não entre em discussões causadas pelo nervosismo.
- É importante que a pessoa que mantém o seu emprego, dê algum tempo à outra para encontrar com calma um novo caminho. Não agrave a tensão que já existe sob os ombros de quem fica desempregado. 
- Não façam deste um assunto tabu. Deverão conversar sobre a questão, procurar alternativas conjuntas e ir informando de cada passo ou novidade neste campo.
 Tentem em conjunto perceber o que pode ser cortado de imediato nos gastos: jantares em restaurantes, eventos sociais, despesas secundárias, roupa...
- Se a situação durar há já algum tempo e não tiver uma solução imediata à vista, ponderem a possibilidade de recorrer a medidas mais extremas: vender um dos carros do casal, por ex.
- Para prevenir os efeitos negativos de um possível despedimento, esforcem-se por criar a priori um fundo de emergência, com um valor equivalente a, pelo menos, três salários do que ganha mais.

Recolocação
A possibilidade de uma recolocação numa outra cidade ou até noutro país é uma situação que abala a estabilidade do casal e que interfere na vida em comum. Importa analisar bem esta possibilidade que para alguns pode ser uma experiência fantástica, mas para outros pode ser um desastre total.
- É importante ponderar se o crescimento profissional e o aumento salarial envolvidos serão compensatórios face aos riscos envolvidos.
- Informem-se o mais possível sobre o destino: clima, custo de vida, segurança, saúde, entre outros aspectos do dia-a-dia. Todos estes factores são determinantes para a adaptação ao local.
- Certifiquem-se que a mudança é do agrado de ambos e que existem possibilidades de carreira para os dois, garantindo que não perderão o actual nível de vida no caso de algo correr menos bem.
- Não deixem de ponderar de que forma vão os dois lidar com as saudades da
família e amigos e com o desconhecimento de um local totalmente novo onde só “têm um ao outro”.
- Para prevenir problemas futuros, se na sua empresa a questão da recolocação é uma possibilidade real, procure esclarecer ainda antes de receber uma proposta, se esta seria ou não uma hipótese a considerar.

Insatisfação
Um dos dois está muito insatisfeito com o seu trabalho e sente-se constantemente infeliz com isso.
- Procure motivar o seu parceiro e estabeleçam como objectivo comum encontrar uma solução para o seu descontentamento. 
- Caso a solução passe por um novo emprego, dediquem-se ambos à busca de oportunidades interessantes, nos meios habituais e entre os contactos pessoais e profissionais.
- Encontrem um hobby comum que permita alguma realização pessoal quando estão longe do trabalho.
- Não descarreguem as frustrações um no outro, pois isso só irá agravar o vosso relacionamento. Saibam compreender as angústias de cada um.

Workaholic
Quando um dos dois elementos do casal é viciado no trabalho e parece viver para unicamente para a profissão, negligenciando a vida familiar.
- É importante saber fazer a distinção entre um período em que a carga de trabalho é maior e quando as horas excessivas no trabalho se tornam num hábito.
- Estabeleçam momentos só vossos e, caso não consigam cumpri-los, levante a questão abertamente e diga ao seu parceiro como se sente com esta situação.
- Não caia no erro de pensar que, se está a trabalhar tanto para garantir a segurança financeira da família, vai ter sempre a compreensão da outra parte.
- Evite também fazer deste tema assunto recorrente para discussões. Quanto mais conflitos gerar em casa, mais o seu parceiro se refugiará no trabalho. Saibam falar abertamente do tema e encontrar um ponto de equilíbrio.

Publicidade

Siga-nos em:
Twitter   Facebook   LinkedIn   RSS   MEO Kanal - SAPO Emprego