Desafios de principiante


Primeiro Emprego

SAPO Emprego

As dificuldades do começo de carreira.

O momento de transição da vida de estudante para o mercado de trabalho é um importante passo, marcado por uma série de alterações no quotidiano que são, por vezes, bastante difíceis de gerir. Focada na formação teórica necessária para enfrentar os desafios profissionais, as Universidades nem sempre têm capacidade para preparar cada indivíduo para os múltiplos obstáculos que vai encontrar no começo da sua carreira. Cabe, portanto, aos novos profissionais encontrar o seu próprio espaço e método de integração, reunindo as suas melhores competências para lidar com esta nova realidade.
Conheça os principais desafios que surgem a quem está agora a lançar-se no mercado de trabalho:

1º Saber esperar... É necessário tempo e esforço para conseguir uma oportunidade de emprego. Num mercado dominado por uma série de factores que o ultrapassam é preciso ter perseverança para não se deixar ir abaixo ao primeiro contratempo.

2º As expectativas.  A maioria das empresas não vai ficar especialmente impressionada com o “simples” facto de ter uma licenciatura. É necessário ter expectativas realistas e estar preparado para começar “por baixo”. Não fique desanimado se o primeiro emprego não corresponde exactamente ao que tinha planeado!

3º O vestuário.  Em muitas áreas de actividade o tradicional fato e gravata já deixou de ser imposição. No entanto, o vestuário casual usado nos tempos de estudante deve, na maioria dos casos, dar lugar a um vestuário mais formal.

4º As finanças. Para a maioria das pessoas o primeiro salário costuma ser a verdadeira prova de como lidamos com o dinheiro. Começa aqui o processo de aprendizagem de gestão do orçamento pessoal, e as primeiras escolhas de investimento (ou gastos) financeiros.

5º Rotina... Com as obrigações profissionais os dias tornam-se inevitavelmente mais rotineiros. É inevitável sentir algum “sufoco” com este ritmo tão repetitivo do dia-a-dia, mas é importante aprender a viver com esta “limitação”: deitar todos os dias à mesma hora, acordar à mesma hora, ...

6º Pontualidade e Assiduidade! As obrigações começaram e a assiduidade e pontualidade começam a ser questões fulcrais do desempenho profissional. Ao contrário do que acontece no meio escolar, em que a falta apenas lesa o próprio, num emprego existem uma série de consequências que importa considerar.

7º O horário... A maioria dos estudantes está habituado a um só período de aulas por dia (manhã, tarde ou noite) ou distribuídas por pequenos segmentos. A transição para um horário completo de oito horas de trabalho (pelo menos), pode ser bastante complicada.

8º Férias! É sempre o ponto mais dramático para um recém-chegado ao mercado de trabalho. Para os estudantes existem férias de Natal, Carnaval, Páscoa, de Verão e, por vezes, até férias intercalares. No trabalho, as férias são reduzidas a um período máximo de 25 dias e têm de ser marcadas com antecedência e articuladas com a restante equipa.

9º Gestão de tempo. Muitos estudantes estão habituados a uma carga de trabalho bastante pesada, com trabalhos de casa, trabalhos de grupo, e aulas teóricas e práticas. No entanto, no ambiente de trabalho além das questões da sobrecarga de tarefas e responsabilidades existe também uma pressão muito maior.
 
10º Trabalhar em Equipa... Apesar do trabalho em grupo ser já muito frequente durante a vida académica, normalmente é feito entre amigos, ou com grupos escolhidos pelos próprios. No âmbito profissional são-nos “impostas” pessoas de diferentes idades, culturas, personalidades e modos de trabalhar, às quais nem sempre nos conseguimos adaptar com facilidade.

11º A inexperiência e o desconhecimento... Contratar um recém-licenciado implica, à partida, ter tempo e disponibilidade para o orientar. Vão existir muitas situações em que não saberá o que fazer, nem compreende o que lhe está a ser pedido. É importante não fazer de conta que sabe o que não sabe, é fundamental saber questionar e, sobretudo, é natural ir errando, e aprender com esses erros.

12º Vida Pessoal...  Com um horário de trabalho mais alargado e muito menos tempo livre, torna-se mais difícil fazer uma boa gestão da vida pessoal. O tempo dedicado à família e amigos será necessariamente menor e, por isso, terá de ser aproveitado ao máximo!

Publicidade

Siga-nos em:
Twitter   Facebook   LinkedIn   RSS   MEO Kanal - SAPO Emprego