Herzog 's & de Meuron' s nas empresas?


Painel de Especialistas

SAPO Emprego

Haverá desvantagens em ter dois profissionais que juntos sejam geniais?

Simon & Garfunkel, Ginger Rogers e Fred Astaire são nomes que geralmente usamos em conjunto. Os bons resultados podem também ser potenciados a nível empresarial com a formação parelhas. Haverá desvantagens em ter dois profissionais que juntos sejam geniais? Parece-me interessante focar a atenção deste artigo em duplas profissionais.

Façamos um exercício. Consegue identificar na sua empresa dois profissionais que juntos valham mais do que apenas a sua soma individual? Por outras palavras, profissionais que, com maior ou menor tempo de convivência se complementem, que juntos sejam mais rápidos, que se motivem mutuamente, que se disciplinem e que até compitam saudavelmente entre eles?

 As duplas podem ser formadas de forma mais ou menos intencional nas empresas. Acreditamos que, de forma crescente, exista uma maior consciencialização para tal já que é dada cada vez maior importância ao fit entre o candidato escolhido e a sua chefia directa ou mesmo à equipa onde irá estar inserido.

No sector da construção uma obra é encarada como uma empresa com contas próprias com a única diferença de ser uma empresa com um fim previsto. Assim, uma boa dupla - geralmente o encarregado / directora obra - por si só pode fazer a diferença entre o sucesso e o fracasso da mesma.

Assim, o reconhecimento por parte das empresas destas duplas deve ser feito tendo em vista a retenção de talento já que, com frequência, assim que ocorre a saída de um dos elementos o outro acompanha-o na desvinculação. Na Construção assistimos com muita frequência ao desenvolvimento de carreiras paralelas, de confiança profissional e pessoal, entre o Director de Obra e o Encarregado, em que estes transitam de empresa para empresa unidos pela sua relação profissional.

Porque a mudança profissional também acontece mais vezes, é cada vez mais frequente para nós assitir à entrada conjunta de profissionais que já trabalharam juntos em novas empresas. Ajuda-os uma mais rapida integração, com reflexos igualmente positivos no aligeirar do sentimento de risco na mudança profissional, alavancando rapidamente os resultados esperados.

A manutenção destas duplas é importante em termos motivacionais já que por vezes a sua simples existência é geradora para estes de mais satisfação e sentimento de pertença à empresa do que propriamente políticas de RH desta, a posição destes na empresa, remuneração, ou perspectivas de evolução futuras.

Atenção ainda para o lado mais perverso destas duplas. É sabido que por vezes as mesmas podem tornar-se demasiado importantes, isto é, maiores ou melhores que a própria estrutura pelo que é forçoso estar atento a sinais de algum descontentamento ou empreendedorismo já que estas podem, confiantes com o sentimento de dupla, emancipar-se  através da criação da sua própria empresa.

Especial cuidado igualmente para a eventualidade de qualquer empregador pretender dispensar a dupla - é aconselhável uma gestão simultânea e rápida dos dois processos. Quando apenas um dos dois trabalhadores decide sair por livre vontade aconselhamos igualmente uma atenção especial à passagem de informação para o exterior.

A aposta em duplas rotinadas traduz-se na obtenção de resultados imediatos para as empresas mas pode, a médio-longo prazo, ser nefasta já que geralmente o sentimento de grupo destes profissionais é maior que o sentimento de pertença às empresas.

Nuno Veríssimo

Senior Consultant Msearch

Publicidade

Siga-nos em:
Twitter   Facebook   LinkedIn   RSS   MEO Kanal - SAPO Emprego