Aquém das qualificações


Desenvolvimento de Carreira

SAPO Emprego

Quando a experiência fica abaixo das capacidades.

Por várias vezes já salientámos aqui a importância de um percurso profissional diversificado e estimulante, com experiências enriquecedoras. Mas, em tempos de crise, o que fazer quando as oportunidades que lhe surgem são, invariavelmente, abaixo das suas reais competências e capacidades?
Confira os aqui os prós e contras duma experiência profissional abaixo das suas qualificações.

PRÓS

1. Por um melhor CV... Uma experiência profissional, qualquer que seja, é sempre um contributo valioso para a sua carreira. Melhor ou pior, qualquer experiência é útil na construção do seu perfil profissional, ajudando a desenvolver determinadas competências ou a adquirir novas capacidades.

2. Trabalho é sinónimo de actividade. É muito mais difícil justificar um período de “paragem” num percurso profissional que se quer diversificado e estimulante, do que enquadrar um passo atrás ou um corte temporário. O facto de se manter activo ao invés de se acomodar às queixas e lamentos do “desemprego” é, por si só, revelador dos melhores traços enquanto profissional: proactividade, motivação, iniciativa, autonomia, etc...

3. Um ponto de partida. Apesar de não ser prática comum em todas as empresas é frequente termos exemplos de pessoas que entram pela “porta das traseiras” para uma empresa e conseguem evoluir profissionalmente e construir uma carreira dentro da organização. Poderá necessitar de um esforço adicional para mostrar o seu potencial mas, pelo menos, terá muito mais hipóteses de ser “visto” pelas pessoas certas.

4. Rede de contactos. Haverá melhor forma de conhecer pessoas e estabelecer contactos profissionais? Estando integrado no mercado de trabalho terá, à partida, uma posição privilegiada para conhecer e contactar pessoas ligadas a outras áreas e outras empresas e que o poderão ajudar a chegar ao emprego que, de facto, deseja.  

5. Novas competências. Muitas vezes, é em experiências “deslocadas” da formação académica e de experiências anteriores, que se assimilam novos conceitos e se contacta com realidades que, de outra forma, nunca se teria conhecido. Aproveite para reter o máximo de informação possível, seja receptivo à aprendizagem e saiba dar o seu melhor.

CONTRAS

1. Deixar-se acomodar... O conformismo é o principal “perigo” associado a este tipo de experiências. Acomodar-se à segurança de um salário ou de um emprego, quando este não está enquadrado no plano de carreira que ambicionava para si, é o pior erro que se pode cometer em termos profissionais. Deverá sempre encarar uma situação destas como algo temporário, e esforçar-se para a ultrapassar, ainda que aproveitando o que de bom tenha para lhe oferecer.

2. Um “ponto negro” no CV Por muito que tentemos desmistificar a situação, sem dúvida que é complicado justificar uma quebra ou retrocesso na evolução profissional, seja por que motivos for. Nada é mais natural do que ser-se associado à sua ocupação profissional, podendo ser desprestigiante para um profissional bem sucedido assumir determinadas funções  numa área ou hierarquia totalmente diferente da que seria suposto.

3. Uma ferida na auto-estima.  Ser obrigado a retroceder profissionalmente tem consequências óbvias na esfera pessoal, nomeadamente a nível da auto-estima e confiança. Ao assumir funções aquém daquilo que sabe ser capaz de desempenhar, a segurança e motivação irão dar lugar ao desânimo e frustração, sentimentos que poderão continuar a reflectir-se a longo prazo. Saiba manter um espírito optimista, e tenha em mente os verdadeiros factores que o levaram a assumir esta função, sem deixar que uma temporária “despromoção” afecte os seus reais objectivos.

Siga-nos em:
Twitter   Facebook   LinkedIn   RSS