O outro lado da reforma


Comportamento & Marketing Pessoal

SAPO Emprego

Condicionantes emocionais associados à reforma.

O modo como a reforma é encarada varia de pessoa para pessoa mas em todos os casos implica sempre uma grande mudança. Mesmo para aqueles que anseiam por esta nova fase da sua vida, e já se sentem totalmente preparados para dar este passo, há uma carga emocional envolvida que não deve ser ignorada. Conheça os principais condicionantes emocionais associados à reforma.

- Efeito “Lua-de-Mel”  - Numa primeira etapa, as pessoas nem se apercebem pelo que estão a passar porque, por algum tempo, a reforma é em tudo semelhante a umas férias. Mas após esta “lua-de-mel”, a sensação de descanso e disponibilidade de tempo tão apreciada dá lugar a algum desalento e, em alguns casos, até de depressão. A verdade é que não se deve pensar na reforma como uma situação de curto prazo, pelo que é importante planeá-la previamente com algum cuidado.

 - Perda de identidade Algumas pessoas sentem-se “diminuídas” quando entram na reforma, como se deixassem de ter um papel na sociedade. A verdade é que durante quase toda a vida somos indentificados pela actividade que desempenhamos e o facto de perderemos esse ponto de referência pode fragilizar um pouco a nossa “auto-imagem”.

- Falta de objectivos  – A falta de objectivos torna a vida mais desinteressante. Continue a traçar objectivos para a sua vida, independentes das suas metas profissionais. Uma boa sugestão é fazer uma lista de coisas que gostaria de fazer quando esta nova fase da sua vida chegar.

- Falta da rotina - A rotina diária ajuda a que os dias passem mais depressa. A falta desta rotina, não ter de cumprir horários, não ter de estar num determinado lugar, pode levar uma pessoa a sentir-se demasiado livre. Quando se sentir assim, lembre-se de todos aqueles momentos da sua vida profissional em que só desejava conseguir parar um pouco e relaxar.

- Solidão – Quando se deixa de estar diariamente na companhia dos colegas e estes continuam sujeitos à correria do dia-a-dia, é natural que surjam menos oportunidades de convívio. Mesmo não tendo sido esquecido, é natural que ao deixar uma equipa se sinta relegado para segundo plano. Se é este o seu caso, não se sinta melindrado e, de vez em quando, apareça para almoçar, esta é uma boa forma de manter o contacto e ficar a par de todas as novidades.

- Partilha de espaço - Um dos grandes ajustes que a reforma também acaba por obrigar é o de aprender a viver 24 horas por dia com o seu conjugue, se este também já estiver reformado. É natural que, até que seja criado um novo equilíbrio, as discussões e tensões familiares surjam de forma mais frequente do que acontecia anteriormente.

Publicidade

Siga-nos em:
Twitter   Facebook   LinkedIn   RSS   MEO Kanal - SAPO Emprego